“É preciso abrir as fronteiras”, diz a profª Feldman na abertura da Cátedra Unesco Memorial